Análise SWOT: tudo o que você precisa saber sobre essa ferramenta!

A análise SWOT é uma ferramenta de planejamento estratégico bastante conhecida no âmbito empresarial. Ela é amplamente utilizada para fazer a comparação de cenários e realizar análises que facilitem a tomada de decisões dentro das organizações. É uma metodologia muito interessante de ser utilizada não só para projetos, mas para a gestão de processos.

Um pouco da história da análise SWOT

Sim, vamos começar com um pouquinho de história. Mas prometo que não será longo, ok? Pois bem, a origem da análise SWOT é datada entre as décadas de 60 e 70 e creditada ao americano Albert Humphrey. Ele era líder de pesquisas na renomada Universidade de Stanford, na Califórnia, e lá conduziu uma pesquisa com os dados relacionados aos negócios de mais de 500 corporações renomadas pela revista Fortune

A metodologia utilizada por Humphrey para o cruzamento desses dados originou o que hoje conhecemos por matriz, ou análise SWOT. Hoje, ela é amplamente aplicada e difundida em diversas organizações mundo a fora! Dessa forma, a análise SWOT, ou FOFA se você preferir, ajuda na tomada de decisões. Com isso, ela pode ser considerada uma grande aliada à estratégia da empresa. Além disso, ela costuma trazer dinamismo na sua elaboração, pois todas as informações são inseridas de forma intuitiva na matriz SWOT (que será apresentada logo mais).

Afinal, qual a finalidade da análise SWOT?

A análise SWOT tem como principal objetivo analisar oportunidades e ameaças, por meio do diagnóstico das vantagens e desvantagens para iniciar um novo negócio. Além disso, com essa metodologia, é possível elencar os pontos importantes para o sucesso ou fracasso do mesmo. A avaliação é separada entre estudar o negócio pelo ponto de vista da empresa e pelo comportamento do mercado. Contudo, vale ressaltar que é importante sempre avaliar o mercado no ramo em que a empresa está inserida. Você não vai querer comparar o seu negócio, do segmento industrial, com o outro do segmento de varejo, não é mesmo?

Análise SWOT é só para novos negócios ou projetos?

A resposta para essa pergunta é: NÃO! De forma alguma a análise SWOT está relacionada apenas a um novo modelo de negócio, ou a algum novo projeto, embora seja mais comumente empregada para isso. Essa ferramenta permite que você possa refletir e avaliar também seus processos atuais, seu negócio atual, e assim identificar pontos de melhoria. Sem contar que qualquer empresa pode se beneficiar da análise feita com o auxílio dessa ferramenta, independente do tamanho do negócio.

Se você ainda não sabe bem o que é um processo, eu trouxe um vídeo curto que explica isso de forma bem simples e direta. É só dar play! 😉

O significado dessa “sopa de letrinhas”

Até aqui eu falei sobre o surgimento, a finalidade, e tudo mais sobre a análise SWOT. Todavia, você já deve ter se perguntando o que significa SWOT, certo? Pois bem, o termo SWOT é uma abreviação das palavras em inglês strengths, weaknesses, opportunities e threats. Que traduzindo para o português querem dizer: forças, fraquezas, oportunidades e ameaças. Então, podemos chamar a análise SWOT também de análise FOFA.

Veja como é simples: 

  • S = Strengths ou forças;
  • W = Weaknesses ou Fraquezas;
  • O = Oportunities ou Oportunidades;
  • T = Threats ou Ameaças.

Conheça a matriz SWOT 

A matriz SWOT reúne informações relevantes e mostra o panorama geral delas. Ela é composta por uma tabela com quatro quadrantes, que trazem as informações dos pontos positivos e negativos que são cruzadas com as informações do fatores externos e internos. 

Essa matriz mostra de forma clara os pontos importantes para a estratégia da empresa. Na matriz, poderemos visualizar de maneira mais fácil as forças e fraquezas, oportunidades e ameaças. E isso auxilia na tomada de decisões. 

Exemplo de uma matriz SWOT
Exemplo de uma matriz SWOT
Vale reforçar que, na matriz SWOT, as forças e fraquezas dizem respeito a sua empresa. E as oportunidades e ameaças falam sobre fatores externos, que estão fora do seu controle. 

Quais os pontos fortes da Matriz SWOT?

A análise SWOT é uma metodologia que funciona muito, porém ela não se aplica para qualquer situação. Sim, nem sempre podemos fazer o uso da análise SWOT para analisar os cenários. A partir disso, acho bastante válido olharmos os pontos fortes e fracos dela. Dessa forma, você consegue usar a matriz SWOT de forma mais assertiva.

Vamos aos pontos fortes:

  • É uma ferramenta acessível;
  • Simples de se colocar em prática;
  • Estimula o planejamento de ideias;
  • Sua análise é de fácil compreensão;
  • Tem o poder de ajudar a alavancar projetos, pois seus cenários deixam as respostas claras para todos os envolvidos no processo.

E os pontos fracos da Matriz SWOT?

Já trouxe aqui os pontos fortes, agora é importante também listar os pontos fracos:

  • Por ser uma ferramenta descritiva, não trará um solução lógica no final. Ou seja, as respostas exigem interpretação;
  • Ao final do processo, cabe a você montar um plano de ação para colocar as ações em prática;
  • Pode trazer uma certa dificuldade na hora de elencar os fatores para encaixar na matriz.

Tá, e como podemos aplicar a análise na prática?

A análise da matriz SWOT ou matriz FOFA normalmente é feita pela alta gestão da empresa, uma vez que muitas vezes está relacionada à estratégia do negócio. Contudo, está longe de ser de exclusividade de gestores e diretores. Pelo contrário, quanto mais pessoas forem envolvidas no processo de construção, mais detalhada e completa fica a matriz. Isso porque serão aplicadas diferentes visões sobre os pontos do analisados. Para construir a análise, podemos dividi-la em duas partes: 

Etapa 1: ambiente interno

A primeira etapa consiste na avaliação do ambiente interno. Isso quer dizer que nela vão ser identificados os pontos fortes e as fraquezas da empresa.

As forças serão definidas como os pontos positivos e os diferenciais do seu produto/projeto/processo. Já as fraquezas são o oposto disso, ou seja, os pontos fracos e as desvantagens da empresa perante ao seu produto/projeto e dele mesmo. Podemos dizer que são os pontos que atrapalham o desenvolvimento do produto/projeto/processo dos quais se tem controle e podem mudar. 

Etapa 2: ambiente externo

Já a segunda etapa está relacionada coma análise do ambiente externo. Ou seja, agora avalia-se as ameaças e as oportunidades.  

As oportunidades são analisadas tendo como base o comportamento do mercado, elas são definidas por meio de acontecimentos externos e não temos como prever. E as ameaças, como o próprio nome sugere são as situações externas que podem atrapalhar o desenvolvimento do seu projeto. Elas também não podem ser controladas, mas devemos prever o máximo de situações possíveis e ter medidas preventivas planejadas. Assim, minimizamos possíveis prejuízos. 

E depois, o que fazer?

Após concluir a sua análise SWOT, você pode convertê-la em uma estratégia real. Isto porque ela visa justamente produzir uma estratégia, que pode ser desdobrada em plano de ação para que os envolvidos possam se guiar e desenvolver o que for preciso para alcançar os objetivos, conforme traçado na matriz. 

Por isso, recapitulando: 

  • As forças são atributos internos positivos da sua organização, eles estão sob seu controle;
  • As fraquezas são fatores negativos que prejudicam os seus pontos fortes. 
  • Oportunidades são fatores externos em seu ambiente de negócios, que de alguma forma, irão contribuir com o seu sucesso;
  • E as ameaças são fatores externos que você não consegue controlar. Por isso a maioria das empresas desenvolve planos de contingência para lidar com esses riscos potenciais

Por fim, o primeiro passo para a empresa começar a trabalhar com os resultados da análise SWOT é descobrir como pode-se usar os pontos fortes à favor do seu negócio, para aproveitar as oportunidades. Posteriormente, observe como esses pontos fortes podem ser seus aliados para combater as ameaças de mercado. 

Agora, é só começar. Mãos na massa e boa sorte!

Até mais! 

Thyelli Kataguire

View posts by Thyelli Kataguire
Meu nome é Thyelli Kataguire. Sou Engenheira de Produção, formada pela UNISINOS, com pós-graduação em Logística e Distribuição pela Fundação Instituto de Administração - FIA. Atuo na Zeev como Especialista em Projetos Estratégicos e tenho sólidas experiências profissionais na área de logística, tanto no e-commerce quanto na indústria. Já passei por empresas como Dell, Braskem, Privalia e MCassab. Similar a logística, sou apaixonada por movimentação. Tudo o que é dinâmico me motiva. E quando se trata de transformação de processos? Motiva mais ainda!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.